web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Banco de Portugal escondeu buraco de 954 milhões em empresa do GES

Share on Pinterest

O Banco de Portugal não divulgou as conclusões de uma auditoria que apurou que a Rioforte, empresa do universo do Grupo Espírito Santo (GES), tinha um buraco financeiro de 954 milhões de euros.

 

Esta é a conclusão de uma investigação feita pela SIC e divulgada no Jornal da Noite desta terça-feira.

De acordo com a pesquisa do jornalista Pedro Coelho, o Banco de Portugal pediu uma auditoria às holdings do GES, no terceiro trimestre de 2013. Essa primeira análise concluiu que a Rioforte, uma das sociedades do Grupo, tinha um capital positivo de 930 milhões.

Mas, três meses depois, o BdP solicitou uma nova auditoria à consultora PwC que concluiu que a Rioforte teria um buraco de 945 milhões de euros. Dados que não foram divulgados pelo BdP à banca, nem ao mercado, conforme refere a SIC, sublinhando que não conseguiu apurar as razões para essa tomada de decisão.

Ocultando os dados, o BdP deu garantias à banca e aos investidores que a Rioforte era uma empresa viável, com os prejuízos consequentes.

A SIC refere que um negócio efectuado dentro do GES “matou a Rioforte” que até então era “uma empresa saudável”. “O Banco de Portugal soube do negócio, mas desvalorizou as consequências”.

A queda da Rioforte acabou por afectar muito negativamente a banca, a PT e os accionistas que investiram no último aumento de capital do BES, refere a SIC.

Banif foi um dos afectados neste processo, uma vez que o banco centrou toda a sua dívida na Rioforte.

Fonte: ZAP

Share on Pinterest

07/02/2018
Compartilhe no Facebook