web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Dona do Montepio em falência técnica com “buraco” de 107 milhões

Share on Pinterest

Soam os alarmes em torno da Associação Mutualista Montepio Geral, a dona da Caixa Económica (o banco Montepio), que apresenta um “buraco” de 107 milhões de euros, o que exige uma recapitalização, para evitar o colapso.

O jornal Público teve acesso ao relatório da auditora KPMG que faz soar os alarmes relativamente à Associação Mutualista Montepio Geral, que detém o banco Montepio, cujas contas revelam capitais negativos, com um “buraco” financeiro de 107 milhões de euros.

“A KPMG deixa um forte alerta aos mutualistas de que a Associação Montepio Geral enfrenta um quadro crítico, de falência técnica, com necessidades de uma injecção de fundos”, aponta o Público.

O diário avança que, entre 2011 e 2015, o grupo mutualista apresenta mais de mil milhões de euros de perdas consolidadas e que, pela primeira vez em 175 anos de história, o Montepio encerrou o ano com prejuízos de quase 400 milhões de euros.

Este cenário negro vai ser discutido nesta terça-feira, na reunião do Conselho Geral da Associação Mutualista, e o Jornal de Negócios adianta que haverá quatro iniciativas em cima da mesa, com o intuito de evitar a recapitalização do banco.

Essas medidas passam pela alienação de imóveis, pela venda do crédito malparado, pela redução do risco das operações em Angola (Finibanco Angola) e em Moçambique (Banco Terra) e pela passagem a Sociedade Anónima para se conseguir uma maior margem de manobra, conforme avança o Negócios.

A reunião poderá também discutir um relatório do Banco de Portugal relativo a 2016, que foi divulgado pelo Expresso, e que aponta falhas à gestão do Montepio, realçando que a instituição apresenta “um perfil de risco de nível elevado”.

Apesar desse relatório, o Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, garantiu que o Montepio está “estabilizado” e” em processo de reformulação” no sentido de “se transformar num pilar financeiro do terceiro sector”.

Entretanto, foi também notícia que o Conselho de Supervisão do Montepio travou um negócio suspeito de 93 milhões de euros com a empresa Martifer e que passava pela “limpeza” das contas do banco com uma participação na sociedade que detém a exploração do complexo mineiro de Aljustrel.

Note-se ainda que o ex-presidente do Montepio e actual presidente da Associação Mutualista, Tomás Correia, é suspeitode ter recebido 1,5 milhões de euros do “amigo” de Ricardo Salgado, o construtor José Guilherme, no âmbito de um empréstimo concedido pelo banco que dirigiu e pelo BES a um fundo para aquisição de terrenos.

Não há risco de “falência”

O presidente da Associação Mutualista Montepio Geral garantiu hoje que não há risco de falência da entidade e que tem atualmente recursos para fazer face às responsabilidades perante os seus associados.

“A questão mais chocante para nós foi a afirmação de uma espécie de falência relativamente a esta associação. Estamos perante uma afirmação que não corresponde à realidade e é bom que afirmemos isso com veemência, é alarmista, não ajuda o movimento mutualista, o setor financeiro português, não ajuda os portugueses e as portuguesas e não ajuda os associados e as associadas”, afirmou António Tomás Correia em conferência de imprensa, na sede da Associação Mutualista em Lisboa.

O responsável afirmou ainda que, ao final da manhã de hoje, a maior associação mutualista de Portugal tinha recursos para fazer face às responsabilidades perante os seus mais de 600 mil associados.

“O nosso balanço que rondará os 3.800 milhões de euros corresponde a responsabilidades hoje calculadas ao final da manhã de 3.100 milhões de euros perante associados”, afirmou, garantindo ainda que os ativos da Associação Mutualista, como imobiliário, estão registados em balanço “subvalorizados”.

Tomás Correia afirmou que estes cálculos “oferecem tranquilidade” e mostram a “gestão conservadora e rigorosa” que tem sido feita na Associação Mutualista.

 

Fonte: ZAP

Share on Pinterest

19/03/2017
Compartilhe no Facebook