web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Fruta Feia: o protejo que combate o desperdício alimentar (e vende fruta e legumes muito baratos)

Share on Pinterest

Estás a ver aquelas maçãs tocadas que não trazes do supermercado porque não estão super perfeitinhas? Ou aquelas bananas que não estão incrivelmente amarelas, como se quase tivessem sido pintadas? O projeto Fruta Feia é uma cooperativa que vende estes e outros tantos legumes e frutas, que por não serem esteticamente perfeitos acabam no lixo.

Sabias que metade da comida produzida no mundo anualmente vai para o lixo?

Vamos a números. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, o desperdício alimentar nos países desenvolvidos ultrapassa os 1,3 milhões de toneladas por ano, o que daria para alimentar cerca de 925 milhões de pessoas que todos os dias passam fome. Em Portugal, as estatísticas apontam para um milhão de toneladas de alimentos desperdiçados por ano, ou seja, 17% daquilo que é produzido.

“Os motivos para este desperdício são vários e ocorrem ao longo de toda a cadeia agroalimentar. Modelos de produção intensivos, condições inadequadas de armazenamento e transporte, adopção de prazos de validade demasiado apertados e promoções que encorajam os consumidores a comprar em excesso, são algumas das causas que contribuem para o enorme desperdício actual. Outro problema é a preferência dos canais habituais de distribuição por frutas e legumes “perfeitos” em termos de formato, cor e calibre que acaba por restringir o consumo aos alimentos que respeitam determinadas normas estéticas. Esta exigência resulta num desperdício de cerca de 30% do que é produzido pelos agricultores.”

Foi quando se apercebeu destes números que a portuguesa Isabel Soares soube que tinha de fazer algo para mudar esta situação. Assim nasceu a Fruta Feia, em 2013 no bairro do Intendente, em Lisboa. Volvidos 4 anos, são já três delegações em Lisboa, uma na Parede (Cascais), outra no Porto, em Vila Nova de Gaia e em Matosinhos.

O principal objectivo da Fruta Feia é alterar os padrões de consumo: “queremos que estes legumes e frutas sejam comercializados de forma igual no mercado, independentemente da sua cor, tamanho ou formato, que na maior parte das vezes não diz nada sobre a sua qualidade”, explica Isabel.

A cooperativa trabalha com produtores locais espalhados por todo o país. Todas as semanas, são recolhidas as hortaliças e frutas que, por serem menos bonitas não são compradas pelas grandes cadeias de supermercados. Podes optar entre a cesta pequena, de 4kg e com 7 variedades de produtos (3,5€) ou pela cesta grande, de 8 kg e com 8 variedades de produtos (7€). Há abóbora, agrião, batatas, amoras, maçãs e pêras dos mais diversos tipos, e muitas frutas e legumes que nem conhecias. No site, se carregares em cada produto, podes saber de onde é que ele vem, isto é, onde estão os produtores que te vão fornecer legumes e fruta feia mas saborosa.

Em Lisboa, a Fruta Feia funciona das 17h às 21h nas segundas, terças e quartas. Segunda nos Amigos do Minho (Rua do Benformoso n.º 244 – 1º andar), terça no Mercado do Rato (Rua Alexandre Herculano nº 64) e quarta na Trienal de Arquitectura de Lisboa (Campo de Santa Clara, nº 144). Podes ter acesso à localização e horário dos restantes pontos de recolha aqui.

E como o objetivo é combater o desperdício alimentar, aqui não há lugar para preguiças ou esquecimentos. Caso não possas levantar a tua cesta, podes pedir a alguém que a vá levantar por ti. Caso não consigas mesmo arranjar ninguém, deves entrar em contacto com a delegação a que pertences para que a tua cesta possa ser vendida a outra pessoa, o que geralmente não é difícil. E se te esqueceres mesmo de avisar, a cesta é oferecida a alguém. No entanto, terás de a pagar na mesma, uma vez que os alimentos que eram para ti foram previamente comprados aos agricultores.

Se vives num sítio onde a iniciativa ainda não chegou, não percas a esperança. Inscreve-te como consumidor para que o projeto possa perceber onde estão os locais em que se justifica a abertura de novos pontos de recolha.

Fonte: Shifter
Share on Pinterest

01/04/2017
Compartilhe no Facebook