web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Já se sabe porque o patrão da CGD não quer declarar os seus rendimentos

Share on Pinterest

Patrão da Caixa Geral de Depósitos tem património milionário que não quer declarar.

António Domingues, presidente da CGD desde o final de agosto deste ano, ganhou mais de 10 milhões de euros como administrador do BPI, entre 2000 e 2015.

Com a recusa do gestor público a entregar a declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional, cujo prazo legal terminou ontem, essas remunerações milionárias revelam que António Domingues terá um património milionário.

A análise dos relatórios anuais de contas do BPI, entre 2000 e 2015, revela que, nesse período, Domingues ganhou em média mais de 625 mil euros por ano.

A partir de 2009, após a entrada em vigor da legislação que obriga as sociedades cotadas a divulgarem os salários dos administradores, o BPI indica o rendimento anual dos mesmos.

Sabe-se então que, de 2009 a 2015, Domingues ganhou quase 4,13 milhões de euros. Já entre 2000 e 2008, o BPI apenas indica o encargo total das remunerações dos membros da comissão executiva.

Com base nessa despesa anual e considerando que Domingues foi vogal e vice-presidente da comissão executiva, cargos que representarão 13% e 17% do custo anual com as remunerações da comissão executiva, apurou-se que o banqueiro ganhou, entre 2000 e 2008, mais de seis milhões de euros.

O presidente da CGD recusa entregar no Tribunal Constitucional a declaração de património e rendimentos, alegando ter um parecer interno da CGD que justifica essa recusa.

O próprio Governo apoia a decisão de Domingues. No entanto, como a lei 4/83 obriga o presidente da CGD a entregar a declaração de rendimentos, Domingues terá de declarar o rendimento anual, o património financeiro e imobiliário e também os carros.

Foonte: Correio da Manhã

Share on Pinterest

02/11/2016
Compartilhe no Facebook