web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Meo e Nos têm acesso a dados de clientes da EDP

Meo e Nos estarão a contactar clientes da EDP sem serviço de comunicações para captarem novos subscritores. CNPD conhece casos e aponta o dedo a outras empresas contratadas por estas operadoras.

As operadoras Nos e Meo estarão a usar dados de clientes da EDP para efeitos de angariação de novos subscritores, revela uma investigação doExpresso [acesso pago] publicada na edição deste sábado. Segundo o semanário, várias pessoas são contactadas por estas operadoras a sugerir a subscrição de serviços de comunicações ou televisão após firmarem um contrato com a EDP Comercial.

O jornal relata situações em que clientes sem subscrição de pacotes de telecomunicações, pouco tempo depois de assinarem ou renovarem contratos com a energética nacional, são contactados pelas operadoras que lhes propõem os seus serviços. Num dos casos detalhado pelo jornal, que envolveu um telefonema da Nos após renovado um contrato com a EDP,o interlocutor assumiu trabalhar para a Nos através da empresa de trabalho temporário Randstad.

O semanário relata ainda outro caso em que um novo cliente da EDP passou a ser contactado pela Meo e pela Nos, mesmo tendo indicado no contrato a recusa em cedência de dados pessoais a terceiros. A justificação dada ao cliente por ambas as operadoras para a posse do número de telefone terá sido a mesma: o contacto foi gerado pelo computador, embora não seja claro como é que a operadora faz essa seleção só de pessoas que ainda não são suas clientes.
Fonte da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) confirmou ao jornal ter conhecimento deste tipo de ocorrências, mas sublinhou que a alegada partilha de dados parece estar a ocorrer ao nível das empresas externas às quais estas companhias recorrem. Certo é que ninguém assume as culpas. A Randstad atira a bola para as empresas que a contratam, alegando serem elas a fornecer “todos os contactos”.

Já a Nos garantiu ao jornal não ter “qualquer acordo de partilha de dados de clientes com o grupo EDP, mas admitiu já ter recebido reclamações por contactos não solicitados para efeitos de angariação de subscritores. A Meo disse também desconhecer que “algum dos seus parceiros comerciais” possa ter algum acordo com a EDP de partilha de dados pessoais.

Fonte da EDP também disse ao Expresso que tem como prioridade a “salvaguarda dos dados” dos clientes e que acessos ilegais a estas informações são reportados às autoridades. Segundo o jornal, a CNPD sabe que a elétrica levou a cabo uma investigação interna relacionada com este tipo de casos, e que foram apresentadas queixas às autoridades.

Fonte. ECO


18/09/2017
Compartilhe no Facebook