web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Portugal tem a segunda eletricidade mais cara da Europa

O cálculo é feito em função das paridades do poder de compra de cada país, ficando Portugal só atrás da República Checa. Bloco de Esquerda defende a redução do IVA da eletricidade para 6%, revertendo uma das medidas da troika.

Portugal é o segundo país de toda a Europa que paga mais na fatura de eletricidade em função das paridades do poder de compra. Em primeiro lugar consta a República Checa, país com um rendimento médio mensal líquido de 745 euros (face aos 1 057 de Portugal). A notícia é do Jornal de Notícias com base na análise feita pelo consórcio entre a Energy-Control Austria, a autoridade reguladora da energia da Hungria e o instituto finlandês VaasaETT Global Energy. Este consórcio relativizou o custo da energia elétrica em função do nível de preços e dos rendimentos de cada país europeu.

A chegada da troika a Portugal fez o governo de Pedro Passos Coelho aumentar o IVA da eletricidade e gás natural de 6 para 23%. O Bloco de Esquerda tem vindo a exigir o regresso ao IVA anterior. É a própria Deco, contactada pelo Jornal de Notícias, que explica que o regresso à taxa de IVA anterior iria implicar uma poupança de 80€ anuais.

“Tratando-se de um serviço público essencial e não havendo os constrangimentos que nos levaram ao pedido de assistência financeira, naturalmente que não há razão para a luz e gás natural permanecer no escalão máximo de IVA”, disse ao Jornal de Notícias Vítor Machado, especialista da Deco.

Para o Bloco de Esquerda, a redução do IVA da eletricidade será um ponto fundamental na negociação do próximo Orçamento de Estado. “A eletricidade é um bem essencial e não pode estar sobretributada”, disse o deputado Jorge Costa ao Jornal de Notícias. Porém, lembra que essa redução “não deve diminuir a determinação política para cortar nas rendas excessivas” da energia.

No início de agosto uma análise da Eurostat tinha colocado Portugal no terceiro lugar da lista de países europeus com eletricidade mais cara no ano de 2017. O tipo de leitura feito por este consórcio justifica a subida de um lugar nesta análise.

Fonte: Esquerda.net


22/08/2018
Compartilhe no Facebook