web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Reitor do santuário de Fátima não quer apresentar as contas do santuário aos fiéis

Share on Pinterest

Carlos Cabecinhas afirma que Fátima é um fenómeno de fé, assegura que o milagre está provado e espera a canonização de Lúcia, Francisco e Jacinta no dia 13 de maio

O santuário de Fátima não apresenta contas públicas há 11 anos e não tenciona alterar essa situação. “Apresentamos as contas a quem temos de apresentar”, afirma o reitor do santuário em entrevista hoje publicada pelo “Jornal de Notícias”.Questionado pela jornalista Rosa Ramos sobre as polémicas relacionadas com a contabilidade daquela instituição, Carlos Cabecinhas começa por afirmar que “o santuário apresenta contas todos os anos. A contabilidade é auditada por uma entidade externa e apresentada a quem tem de ser apresentada: ao Conselho Nacional do Santuário de Fátima, que pertence à Conferência Episcopal.”

A explicação para o facto de a partir de 2004 ter sido suspensa a apresentação de resultados é remetida para “a implementação da Concordata”, por existirem “dimensões e aspetos” que, em seu entender, “não estão totalmente esclarecidos e falseiam, de alguma forma, as contas a apresentar”.

Face à insistência da jornalista, que questiona se as contas não deviam ser também mostradas aos fiéis, que deixam os seus contributos em Fátima, o reitor do Santuário é taxativo: “não concordo, porque dá a impressão de que é um dever que nos é imposto, quando não é. É uma opção”.

Depois de ter afirmado já que esta é uma questão de toda a igreja portuguesa, Cabecinhas sustenta que um dever significaria que alguém poderia exigir externamente a apresentação de contas. “E o que eu digo é que não há nenhuma entidade que me possa exigir isso”, afirma.

Para o reitor este não é, sequer, um problema moral ou ético, porque, assegura, “as contas são apresentadas a quem temos de as apresentar”. De resto, acrescenta, nem mesmo quem faz uma oferta terá o direito de exigir a prestação de contas, “porque a oferta é, por definição, algo de que me desfaço e entrego. Deixo de ter direito sobre isso”.

LÚCIA E SALAZAR

Num outro momento da entrevista é abordada a circunstância de Lúcia ter escrito que Salazar foi escolhido por Deus. Carlos Cabecinhas explica que a afirmação tem de ser lida à luz do contexto histórico. “Na altura das aparições, as relações da igreja com o Estado eram penosas. Vivia-se uma república jacobina que perseguia a igreja e, para muitas pessoas, o advento da Segunda República surge, ao nível da fé, como um alívio. Hoje somos extremamente críticos em relação a essa leitura da irmã Lúcia, mas temos de perceber que havia um contexto. E que não é isso que fundamenta a mensagem de Fátima ou condiciona o seu testemunho em relação a ela”.

O reitor do santuário sublinha que “Fátima é, fundamentalmente, uma questão de fé. E é só ao nível da fé que podemos acreditar ou não. Nunca haverá provas”. Até o chamado milagre do sol, relatado no que teria sido a última aparição, “precisa da fé para ser lido, porque, para quem não acredita, é somente um fenómeno para o qual não há uma explicação”.

Por fim, a eventual canonização de Lúcia, Francisco e Jacinta. Como para Carlos Cabecinhas “o milagre está provado”, ainda há tempo para que esse passo seja dado em Fátima no dia 13 de maio. A expectativa não esmorece, mas a decisão, diz, será do Papa Francisco.

 

Fonte: Expresso

Share on Pinterest

16/04/2017
Compartilhe no Facebook