web analytics

tuga.press

As principais notícias do dia estão aqui.

Sabes o que é que aumenta (e diminui) de preço em 2019? Aqui fica a lista.


A eletricidade fica mais barata. De resto, há muitas outras coisas que aumentam como as  Portagens, as rendas, os transportes, entre outros.

Alinhado com o Orçamento de Estado, os impostos ou a “inflação” vão fazer com que existam aumentos em 2019 no que toca à despesa familiar.

Fizemos um apanhado do que aumenta neste novo ano e a lista completa segue abaixo:

 

Rendas: A renda de casa vai custar mais 1.15%, um novo máximo desde 2013. Em 2018 o aumento foi de apenas 1.12%.

Eletricidade: Esta vai ser uma boa novidade, porque vão haver preços a descer. No mercado regulado a descida é de 3.5%. Já as restantes empresas descem conforme pretende, mas a título de exemplo a Endesa vai descer 6.3%, quase o dobro da EDP.

Portagens: As portagens aumentam 0.88%. De acordo com a Infraestruturas de Portugal os aumentos são entre 5 e 25 cêntimos mas nem todas as portagens vão ter aumentos. Já os Os veículos ligeiros compactos e mistos com uma altura entre 1,10 e 1,30 metros vão integrar a classe 1, a que paga menos, nas portagens.

Transportes: Os transportes públicos aumentam 1.14% mas a verba para reduzir o preço dos passes sociais no Orçamento de Estado aumentou de 21 milhões em 2018 para 104 milhões em 2019.

Automóveis: O Imposto sobre Veículos (ISV) e do Imposto Único Circulação (IUC) sobem em média 1.3% mas descem nos automóveis menos poluentes.

Combustíveis: O Governo baixa em 3 cêntimos por litro o imposto conhecido como Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e energéticos (ISP).

Tabaco: O tabaco vai custar, em média, mais 10 cêntimos. “No caso de um maço de tabaco que custe hoje 4,90 euros, estima-se que o imposto adicional não ultrapasse os 5 cêntimos”. Assim, “pretendendo os agentes económicos, pelo menos, manter as suas margens, um maço de tabaco que custe hoje 4,90 euros deverá passar a custar 5 euros”, disse após a divulgação da proposta de OE, à agência Lusa, o fiscalista Afonso Arnaldo, da Deloitt citado pelo DN.

Refrigerantes: As bebidas não alcoólicas com mais açúcar vão aumentar cerca de 3.65%. Como exemplo, a consultora PricewaterhouseCoopers (PwC), explicou à Lusa que “no caso de uma garrafa de dois litros de 7Up com um teor de açúcar de 110 gramas por litro, o aumento chega aos 4,06 euros e uma garrafa de 250 mililitros de Red Bull com um teor de açúcar de 110 gramas por litro terá um aumento de 0,76 euros”

Telecomunicações: A MEO e a NOS já anunciaram aumentos de preços. A Vodafone não decidiu ainda.

Pão: O preço do pão poderá aumentar considerando o aumento de 10% no preço da farinha no último trimestre, mas ainda não existem valores.


01/01/2019
Compartilhe no Facebook